quarta-feira, outubro 20, 2021
Follow Us
Uma Aventura Literária: Duas Menções Honrosas para EB António Feijó

Dois alunos da escola Básica António Feijó viram o seu trabalho reconhecido no "Concurso Uma Aventura… Literária 2021", promovido pela Editorial Caminho, sendo contemplados com Menção Honrosa na modalidade de texto original - 3.º Ciclo. Os premiados foram Ana Gaspar, da turma 9ºF, e João Pedro Sousa, da turma 9ºA.

Muitos parabéns aos alunos pela sua criatividade, empenho e dedicação! Uma excelente forma de terminar as aulas do 9ºano!

De acordo com a Editorial Caminho, "num tempo particularmente difícil em que a pandemia COVID 19 exigiu o encerramento das escolas,  os docentes continuaram a promover o gosto pela leitura, pela escrita, pela criatividade  e enviaram 11.621 trabalhos para o concurso, de todas as regiões do país e também de escolas que lecionam Português no estrangeiro. Este facto, por si só, honra o trabalho educativo, testemunha o profissionalismo dos professores e a sua capacidade de ultrapassar os constrangimentos e obstáculos decorrentes da pandemia".
 
Damos a conhecer neste espaço os trabalhos premiados:

Os três investigadores

Nasci e cresci nos arredores de Lisboa, em Queluz, uma pequena cidade encantadora onde, outrora, se vivia num ambiente de harmonia e alegria.

As manhãs de domingo eram recheadas de amor e ternura, toda gente passeava contente e sem preocupações, tudo era naturalmente agradável. Aos domingos costumava ir com os meus pais à missa e, ao caminhar pela praça principal, ouvia os passarinhos a cantar, a brisa que fazia as folhas estremecer, as campainhas das bicicletas, o barulhinho das rodas do carrinho do senhor dos jornais, o ardina, e as feirantes a pregar com as freguesas.

Contudo, certo dia, estava eu e a minha mãe na praça de Queluz, quando visualizei algo que me deixou intrigado. Ao fundo da praça havia uma loja de pronto-a-vestir e eu avistei dois homens vestidos de preto, ambos com o cabelo grisalho, a rondar a loja. Naquele dia nem liguei muito, todavia, no dia seguinte, passei lá novamente e voltei a ver os mesmos indivíduos perto da loja e achei muito suspeito, por isso perguntei ao meu grupo de amigos se queriam ir investigar comigo o que se estava a passar. Nesse mesmo dia, ao final da tarde, eu e os seus comparsas fomos até à praça para observar o movimento, até que vimos os dois sujeitos à beira de uma carrinha preta com vidros foscos, perto da dita loja. Nós achamos muito estranho e, então, chegamo-nos o mais perto possível da carrinha para ouvirmos o que os dois conversavam. Não entendíamos praticamente nada do que diziam e só conseguimos perceber que um dos sujeitos estava a folhear um caderno. Quando a carrinha foi embora, eu, a Gisela e o Leo fomos até ao local e, nesse momento, ela viu um papel caído no chão que dizia: “Sr. António Campos, comprador de Arte Sacra”. Naquele momento ficamos perplexos perante aquela situação. No dia seguinte, de manhã, fomos novamente até à loja, só que desta vez decidimos entrar. A Gisela, que era a mais perspicaz, viu um saco preto junto ao balcão, contudo, como ela era muito inteligente, não nos disse nada, porque, se o fizesse, já sabia que nós iríamos preguntar à senhora o que lá estava, e isso poderia por em causa a investigação. Entretanto, eu e os meus camaradas saímos da loja e só aí é que a Gisela revelou o que tinha visto.

Com o passar dos dias, o mistério ia-se adensando, a curiosidade aumentava, e todas as noites nós íamos até à praça para fazer a nossa ronda habitual com o objetivo de encontrarmos novas pistas, contudo, nunca achávamos nada. Até que, numa certa noite, decidimos ir atrás da tal carrinha e, quando ela parou, nós arrumamos as bicicletas e fomos sorrateiramente até ao barracão onde os dois sujeitos se encontravam. Só que algo correu mal, não eram só dois homens, era um gangue de contrabando de Arte Sacra que se apercebeu da nossa presença. Naquele instante, começaram a agarrar-nos, e nós, sem saber o que havíamos de fazer, sentimo-nos encurralados, porque não tínhamos por onde fugir. Amordaçaram-nos e prenderam-nos com cordas, no entanto, algum tempo depois, o Leo, que era o membro mais forte do grupo, começou a por em prática os seus movimentos certeiros que tinha aprendido na Academia Militar e conseguiu soltar-se. De seguida, foi capaz de me libertar e à Gisela também. Nesse momento, começamos a correr sem parar até avistarmos uma casa abandonada, onde entramos e nos conseguimos esconder durante algum tempo. Rapidamente, eu peguei no telemóvel e liguei para a polícia para dizer onde estávamos, mas esta não veio a tempo de nos salvar, pois os contrabandistas chegaram primeiro. Durante dois dias estivemos desaparecidos, ninguém soube do nosso paradeiro. Mais tarde, a polícia conseguiu localizar o meu telemóvel e resgatar-nos aos três.

Esta foi a maior aventura da minha vida, em que eu e os meus comparsas conseguimos desmascarar uma enorme rede de contrabando de Arte Sacra, que tinha como fachada a loja de roupa onde tudo começou. Como podem perceber, nós fomos muito corajosos, destemidos e ousados, mas também vos digo, meus netos, foram os dias mais assustadores da minha vida!

Ana Gaspar, 9º F (E.B. 2,3 António Feijó)

 

Destino ideal

Imagina que és um turista e podes viajar para qualquer vila, cidade, ilha, país ou até para vários sítios nos mais variados continentes. Nesta viagem, o tempo e o preço não importam, és só tu e o lugar escolhido!

Se eu tivesse esta oportunidade, o local que gostaria de visitar é um país do tamanho médio, no sul da Europa, banhado pelo mar Mediterrâneo, conhecido por Grécia. Adoraria conhecer não apenas uma cidade ou uma ilha, mas o país todo, onde a História e a cultura são deslumbrantes e emocionantes.

Neste magnífico país fascinam-me as lindas praias com águas calmas e mornas do Mediterrâneo, a sua arte ancestral, e, principalmente, a sua impressionante História.

Na Grécia há tudo o que um turista deseja conhecer: uma excelente gastronomia, aldeias tradicionais e belíssimas e mais mil e uma coisas para se passar umas boas férias.

Este país foi onde nasceu uma das primeiras civilizações, a democracia , e já foi um enorme Império. Aqui foi onde nasceu Alexandre, “O Grande”, e os lendários guerreiros de Esparta. Neste povo ainda está presente o seu ADN de conquista e de garra, pois ele nunca desistiu dos seus objetivos traçados.

A Grécia é um dos países com mais História e tradição do mundo, contudo o país não é só o seu lindo território, é também o seu povo; país são as pessoas desse país e as pessoas deste país são este admirável e encantador país!

João Pedro Sousa, 9ºA (Escola Básica 2,3 António Feijó)

Entrar ou Registar-se